Vaca Fria é meu blog pessoal, uma mistura de arquivo de aço e caderneta de anotações. Aquelas pastas de papelão com elástico usadas para guardar recortes de jornal, matérias em lauda ou já impressas, fotos, bilhetes, trabalhos que orgulham (menos ou mais), textos legais de outras pessoas, projetos, anotações do dia a dia, e tudo o que vale a pena guardar e só tempo dirá se valeu mesmo. Uma versão online dessas pastas que a gente costumava esquecer naqueles enormes e pesados arquivos metálicos e cinzas.

Aqui vou dar espaço para uma das minhas palavras preferidas e que considero uma fonte da felicidade: entusiasmo, seja no presente, passado e futuro. Vou falar das minhas convicções políticas – a defesa da democracia radical, a diminuição profunda das diferenças de classes econômicas e sociais, a liberdade de expressão, os direitos humanos e a luta à discriminação baseada em classe, gênero, cor de pele, religião, opção política e ideológica. (Coerentemente, só não estendo esse posicionamento aos que buscam usar a liberdade e as brechas oferecidas pela democracia para detoná-la). Do tesão que me dão a música, a literatura, o cinema e outros ramos da arte. Da minha relação com uma grande revelação mística adquirida ao aderir à umbanda em 2019.

Acredito que o trabalho é inseparável da jornada existencial. Assim, permito-me incluir neste blog algumas de minhas experiências e preferências profissionais.

Sou jornalista, sempre trabalhei com reportagem e edição. Mas desde que abri a Editora 8 (hoje desativada), também com produção editorial. Se tem uma coisa que curto e me satisfaz, independente do retorno financeiro inevitável e desejável (bom, a gente tem que sobreviver…), é ter colaborado para tornar público um texto. Minha colaboração se dá com a prestação de serviços editoriais.

Espero que possam tirar algum proveito do que vai neste blog. São todos bem-vindos.

Abraço!

Henrique Ostronoff